O termômetro de máxima e mínima: por que só ele não é o suficiente? - Sensorweb

Solução Prática para o Monitoramento de Temperatura

O termômetro de máxima e mínima: por que só ele não é o suficiente?

O termômetro de máxima e mínima: por que só ele não é o suficiente?

Por Douglas Pesavento em 10/07/2014.

Termômetro Máxima Mínima

Se você deseja conservar medicamentos, vacinas, alimentos ou demais produtos que são sensíveis a variações térmicas, você precisará de um instrumento de medição. Um dos mais simples é o famoso termômetro de máxima e mínima, ou termômetro digital de máxima e mínima, bastante utilizado atualmente nos estabelecimentos de saúde e alimentos.

Vale observar, entretanto, que apenas o instrumento de medição não garante um processo de registro e controle de temperaturas confiável e rastreável, visto que estes instrumentos possuem algumas limitações. Exploraremos a seguir alguns itens que esclarecem o porquê de apenas o termômetro de máxima e mínima não ser o suficiente para um processo seguro e completo de gestão da sua cadeia do frio:


1) Necessita de presença física e tomada de ações humanas para ser eficaz

Para visualizar as informações medidas faz-se necessário visualizar o display destes equipamentos, ou seja, estar próximo ao mesmo. Em casos de alarmes, o mesmo pode ser visual e sonoro, cabendo ao usuário a necessidade de apertar um botão de “reset” nestes casos para desabilitar este alarme ou para reiniciar o registro de máxima e mínima em um novo período.


Planilha de Registro Manual Temperaturas2) Faz a medição das temperaturas em um intervalo de tempo, mas necessita de um meio paralelo para registro diário e a longo prazo (como planilhas impressas para preenchimento manual)

Para os requisitos da ANVISA e para próprio registro histórico das medições, apenas o termômetro de máxima e mínima não armazenam o histórico de registros. As medições devem ser conferidas de tempos em tempos e registradas em paralelo, por exemplo, em planilhas impressas, com preenchimento manual. Isto onera bastante trabalho da equipe, que normalmente tem de conferir e registrar as medições entre 1 e 3 vezes ao dia. Além de ser uma tarefa repetitiva, implica em riscos de falhas humanas na transcrição ou esquecimento.


3) Possui riscos quanto a confiabilidade metrológica e necessita de renovação ou cuidados periódicos com a qualidade de sua medição

Principalmente no caso dos termômetros digitais, de tempos em tempos é comum haver desvios na qualidade e confiabilidade de medição. Muitas vezes pode acontecer de o termômetro estar indicando 8°C e na verdade a temperatura real ser de 10°C, o que pode ser crítico para muitos produtos e materiais. Apenas comprando um termômetro de máxima e mínima, não é possível você saber se a temperatura que ele está mostrando é realmente a temperatura naquele momento, a não ser que este equipamento passe por um processo de calibração por um laboratório especializado na área de metrologia. Desse modo, de tempos em tempos é necessário fazer esta conferência para garantir que as medições estão sendo realizadas corretamente e / ou comprar um novo termômetro.


Refrigerador em Risco4) Grande parte não alerta antecipadamente o desvio de temperatura, podendo apenas notificá-lo uma vez que a perda ou dano já aconteceu aos materiais devido aos desvios de temperatura

Grande parte dos termômetros de máxima e mínima não possuem mecanismos de alerta próprios, que podem lhe informar antecipadamente sempre que uma temperatura sair das faixas ideais. Alguns possuem “alerta sonoro e/ou visual” onde o termômetro apita ou pisca caso a temperatura ultrapasse da faixa pré-programada, porém, o alerta servirá para quem estiver próximo ao equipamento. Em caso de períodos noturnos, finais de semana e feriados, estes processo se torna crítico, uma vez que caso houver alguma alteração nas temperaturas, o responsável só ficará sabendo na próxima vez que houver uma ronda ou ao chegar ao trabalho no dia seguinte. Neste momento já pode ser tarde de mais e haver algum dano ao material armazenado.

Além disso, devido ao fato de não registrar a temperatura, não é sabido por quanto tempo durou este alarme, ou seja, por quanto tempo o material ficou exposto à temperatura acima do normal, e que muitas vezes leva ao descarte deste material, principalmente quando se trata de imunobiológicos.


De modo geral o termômetro de máxima e mínima permite atender aos requisitos da ANVISA, sendo uma solução simples e fácil de utilizar, porém para quem buscar garantir uma maior confiabilidade e rastreabilidade do seu processo de manutenção da temperatura, é necessário ficar atento aos itens apresentados anteriormente e também buscar outras soluções no mercado.

Caso queira comparar os diferentes métodos disponíveis para realizar este processo, acesse aqui nosso Guia gratuito quanto aos métodos de registro e controle de temperaturas.

Quer conhecer os métodos de registro e controle de temperatura?Baixe aqui o E-Book elaborado pela SensorWeb.

Deixe o seu comentário!