Razões para o setor da saúde caminhar nas nuvens! - Sensorweb

Solução Prática para o Monitoramento de Temperatura

Razões para o setor da saúde caminhar nas nuvens!

Razões para o setor da saúde caminhar nas nuvens!

Por Victor Rocha Pusch em 16/02/2016.

A Internet das Coisas (IoT), já começou a atender demandas relacionadas ao conforto e bem-estar do usuário em geral, controlando desde automóveis a eletrodomésticos, tornou-se uma ferramenta quando se trata de computação na nuvem (cloud computing) aplicada ao monitoramento de insumos em setor hospitalar ou na área da saúde, de modo geral. Recentemente tratamos desde assunto aqui no blog, mas agora gostaríamos de apresentar alguns dados.

cloud computing

O instituto de pesquisas Mordor Intelligence projeta que até 2020 o mercado de cloud computing aplicado ao setor da saúde deverá atingir US$ 15,2 bilhões (em inglês).

Esta projeção está amparada em fatores como o crescimento de Big Data (que se refere a grandes volumes de dados, provenientes de fontes diversas, como web analytics, mídia social, mídia gráfica, links patrocinados, dados sociodemográficos, entre outros), bem como a necessidade de mudança nos modelos de pagamento e gestão, cada vez mais embasados em informação e mobilidade. Nos Estados Unidos, por exemplo, há uma série de ações governamentais que favorecem a popularização da tecnologia (como é o caso da Affordable Healthcare Act, agência reguladora).

Entretanto, não é um processo fácil: há obstáculos diversos, como a despadronização, que inviabiliza a interoperabilidade, assim como preocupações de caráter geral relacionadas à segurança dos dados e, principalmente, carência de mão de obra especializada.

Conforme relatório da consultoria Accenture, estes obstáculos podem ser dirimidos, assim como já ocorreu em outros setores da indústria, como é o caso da de serviços financeiros. Não buscar soluções neste sentido, diz a consultoria, siginificará perda de competitividade e impacto direto no market share.

Impactos da cloud computing

São cinco as áreas impactadas pela cloud computing (aliada a mobilidade e analytics), segundo o relatório da Accenture.

  • Agilidade: prestadores de serviços e fontes pagadoras interagem a fim de propiciar melhores cuidados ao paciente, cumprindo a agenda regulatória – com custos menores e em tempo mais ágil;
  • Atendimento personalizado e contínuo, baseado em compartilhamento universal, com total segurança de dados;
  • Atendimento domiciliar para pacientes crônicos, com mais qualidade e custos menores;
  • Big Data combinado a ferramentas como as de mídia social podem ser um canal de melhora à saúde pública (estimular hábitos saudáveis e monitorar do bem-estar da população);
  • Converter o acesso aos serviços em mercados emergentes, o que reduz a necessidade de investimentos maiores em hospitais e/ou clínicas.

Em tempo, a Accenture prevê ainda que a cloud computing em saúde deva alcançar o modelo Everything as a Service (Xaas), reunindo infraestrutura, serviços e processos, todos na nuvem.

Nos EUA

Trata-se de tendência mundia: a HIMSS Analytics em recente pesquisa afirma que a adoção da computação em nuvem em organizações prestadoras de cuidados de saúde está em 83%, com aplicativos baseados em SaaS (o mais popular, com 66,9%).

O relatório foi publicado pela HIMSS Analytics, subsidiária da Informação em Saúde e Gestão de Sistemas. Dentre os principais dados coletados, tem-se que:

  • 83% das organizações de TI de saúde estão usando atualmente os serviços em nuvem. 9,3% tem isso em mente e 6% não pretende ter aplicativos baseados em nuvem;
  • 67% das organizações de TI de saúde estão a execução de aplicativos baseados em SaaS hoje, com 15,9% sendo executado em uma plataforma Infrastructure-as-a-Service (IaaS), e 2,4% usando Platform-as-a-Service aplicações (PaaS).
  • Ampliar recursos ou capacidade (48,2%) tecnológicos, contribuir positivamente em indicadores financeiros (46,4%) e tempo ágil de implantação (44,6%) são as três formas mais comuns de as organizações de saúde medirem o valor dos serviços em nuvem.

Quer aprofundar seu conhecimento? Veja mais dados aqui. Agora é a sua vez de compartilhar sua experiência conosco! Você já trabalha com alguma dessas tecnologias? Como você lida com os custos da saúde? Participe nos comentários. 🙂 Se você gostou do artigo, inscreva-se na nossa newsletter. Nela, enviamos para o seu email conteúdo exclusivo e de qualidade, feito especialmente para o setor da saúde!

Comentário

Deixe o seu comentário!