O papel do farmacêutico na prevenção de erros na medicação - Sensorweb

Solução Prática para o Monitoramento de Temperatura

O papel do farmacêutico na prevenção de erros na medicação

O papel do farmacêutico na prevenção de erros na medicação

Por Victor Rocha Pusch em 19/01/2016.

Farmacêuticos blog

Erros na medicação acontecem com mais frequência do que se imagina. Há casos clínicos em que são administradas doses altas de determinados medicamentos que acarretam em toxicidade grave e até mesmo a morte do paciente. Prevenir esses erros de medicação deve ser encarada como prioridade, visando a excelência no processo fármaco-terapêutico.

O Conselho de Coordenação Nacional para a Prevenção e Relato de Erros na Medicação (NCCMERP) define como erro: “qualquer incidente evitável que pode causar dano ao paciente ou levar ao uso inapropriado de medicamentos em casos onde o medicamento é controlado por profissional da saúde, pacientes ou consumidor”. Segundo o conselho 39% dos erros que ocorrem no processo de uso de medicamentos ocorrem na prescrição, 12% na transcrição e 36% na administração.

Entre os erros mais comuns estão a dose inadequada, o tipo ou volume de diluente, falta de algum composto o medicamento, instrução de hidratação inadequada e um decimal no local errado. Além disso, muitos dos erros encontrados estão ligados ao uso de nomenclatura comercial, pouca ou nenhuma legibilidade na posologia, concentração, diferença na unidade de medida, entre outros erros.

 

A importância do farmacêutico

O farmacêutico é de grande importância para a qualidade do processo fármaco-terapêutico, em especial na oncologia que é considerada uma das áreas mais críticas na saúde. É determinado pelo Conselho Federal de Farmácia que esse profissional tenha as habilidades para avaliar os componentes presentes na prescrição médica, levando em consideração a qualidade, compatibilidade e a quantidade estabilidade dos componentes.

A Anvisa é mais criteriosa e emitiu a resolução que o farmacêutico deve avaliar a prescrição médica no que concerne a sua viabilidade, estabilidade e compatibilidade físico-química dos componentes. Além de avaliar a sua adequação aos protocolos estabelecidos pela equipe multidisciplinar de terapia antineoplásica, bem como sua identificação de registro no CRM – Conselho Regional de Medicina.

Foram levantadas diferentes razões para que as atividades clínicas do farmacêutico sejam revisadas. Entre os aspectos estão a identificação de problemas sistêmicos nos processos de cuidados à saúde, os quais incluem erros de prescrição, cada vez mais frequentes e custosos. Assim, o intuito dessa revisão é detalhar de forma mais fundamentada a validação da prescrição médica, levando em consideração os erros de medicação e o papel capital do farmacêutico na prevenção desses erros.

Entre as atividades do farmacêutico para a prevenção, estão: revisar as prescrições médicas, examinar os resultados dos exames laboratoriais, repassar informações referente aos medicamentos, dar conselhos ao paciente, revisar os medicamentos armazenados, bem como as condições armazenamento dos medicamentos e trabalhar com fornecedores e fabricantes.

 

Erros de medicação na quimioterapia

Os fármacos antioplásicos e as novas combinações foram responsáveis pela maior complexidade dos regimes antineoplásicos. Essa complexidade pode acarretar em erros quaisquer das etapas do sistema de uso de medicamentos. Entre os agentes antineoplásicos que implicam nesses erros estão: cisplatina, doxorrubicina lipossomal, cloridrato de óxido de clormetina (mecloretamina), ciclofosfamida, melfalana, mitoxantrona, vimblastina e vincristina.

Há casos em que a administração inadequada de alguns citostáticos acarretam em toxicidade grave, levando a consequências graves como insuficiência renal, aplasia persistente, surdez e até óbito. Os erros na seleção dos medicamentos, em algumas situações, não são percebidos devido ao fato da prescrição não lhes proporcionar informações adequadas e necessárias para avaliar ou determinar a conveniência de uma terapia particular.

O papel do farmacêutico na equipe multidisciplinar de quimioterapia começa com a elaboração de manuais com normas e demais procedimentos farmacêuticos. O farmacêutico auxilia na diminuição e frequência de erros de medicação de citostáticos. Dessa forma, a prevenção de uma prescrição errada deve ser encarada como prioridade para a melhoria do processo fármaco-terapêutico em pacientes da oncologia e hematologia.

 

Padronização

Um método eficiente que viabilizar a detecção de erros de medicação é a implementação da validação farmacêutica nos tratamentos antineoplásicos, visando a melhora na qualidade da saúde dos pacientes oncológicos. A saída foi a padronização dessa validação, prevenindo a morbidade fármaco-terapêutica relacionada aos erros de medicação.

Trata-se do sistema de verificação da prescrição médica, dividida em quatro etapas. O sistema de verificação adequado apresenta nove pontos de verificação chamados de checkpoints, dos quais quatro são de maior relevância no processo.

sistema de validação farmacêutica

Prescrição – é o ponto de verificação 1, pode ou não ter uma ordem de autorização (se requerida);

Preparação – nessa fase a prescrição deve ser avaliada, geralmente na ficha de conferência (ponto de verificação 2); avaliação de produto (ponto de verificação 3); elaboração de um plano de trabalho (ponto de verificação 4);

Dispensação – é a fase em que o produto é dispensado ao paciente (ponto de verificação 5), a partir daí o produto é dispensado ao enfermeiro. O próximo passo é avaliar a prescrição (ponto de verificação 6) e avaliação do produto (ponto de verificação 7);

Administração – nessa fase é importante a conferência do produto e instruções do rótulo pelo paciente (ponto de verificação 8) e conferência do produto com dados do paciente (ponto de verificação 9).

Visando aumentar a garantia quanto a prevenção dos erros de medicação é importante a colaboração de todos os profissionais. De modo geral, o médico é responsável pela prescrição; o farmacêutico é o responsável pela verificação da prescrição médica, manipulação e encaminhamento ao enfermeiro, pela administração.

A utilização de um sistema de validação proposto proporciona uma maior segurança e qualidade do tratamento ao paciente. O sistema permite o rastreamento de todas as informações associadas ao paciente e à manipulação de sua medicação.

O dia do farmacêutico é comemorado todo o dia 20 de Janeiro e nós gostaríamos de agradecer a cada farmacêutico que se preocupa com todos os detalhes para que vidas possam ser salvas. Parabéns pelo seu dia! Esperamos que esse post tenha sido útil para os nossos leitores e desejamos saber a sua opinião em nossos comentários.


CONTEÚDOS RELACIONADOS:

>>  Medicamentos biológicos: no topo da lista de produção.
>>  Plano de Contingência: Uma introdução ao disparo de alertas na cadeia do frio.
>>  9 dicas para escolher um bom Sistema de Monitoramento Contínuo.
>>  Indústria farmacêutica, a cadeia do frio e seus desafios.
>>  Avanços tecnológicos na saúde

Comentário

Deixe o seu comentário!