As boas práticas no armazenamento de medicamentos - Sensorweb

Solução Prática para o Monitoramento de Temperatura

As boas práticas no armazenamento de medicamentos

As boas práticas no armazenamento de medicamentos

Por Raabe Moro em 30/06/2016.

O armazenamento e distribuição de medicamentos são etapas do ciclo da Assistência Farmacêutica, ciclo este orientado pelo Ministério da Saúde a ser norteador na realização das etapas de seleção, programação, aquisição, distribuição e dispensação, com suas interfaces todas voltadas para à saúde. A postagem de hoje ficará apenas com uma etapa que é o entremeio da aquisição e distribuição: o armazenamento dos medicamentos.

Sabendo que todo produto médico contém uma perspectiva de resolução de grande parte dos problemas de saúde, sua preservação deve ser garantida desde o início de sua produção até o momento de aplicação no paciente. Sendo assim, as condições de estoque tais como temperatura, armazenamento em ambientes controlados e por fim transporte, devem ser adequados garantindo a qualidade dos medicamentos dentro de seus padrões ideais.

As boas práticas de armazenamento dos medicamentos são indispensáveis para a preservação de todo e qualquer fármaco de natureza perecível. Manter a estabilidade dos medicamentos durante sua produção, distribuição e armazenamento é fundamental para garantir sua eficácia, reduzir perdas e por fim controlar problemas na saúde.

medicamentos armazenamento

Atividades de Armazenamento

Em resumo, o armazenamento nada mais é do que um conjunto de procedimentos técnicos e administrativos que envolvem seis grandes atividades, que são:

  • Recebimento de medicamentos: examinar e conferir os medicamentos detalhadamente, observando as informações contidas nas embalagens dos produtos, bem como seu documento de solicitação.
  • Estocagem: organização dos medicamentos em espaço pré-estabelecido, a fim de obter segurança e rapidez na retirada., sem esquecer das
  • Segurança: proteção do medicamento armazenado, em especial contra danos físicos, furtos e roubos.
  • Conversação: manter a estabilidade dos medicamentos a fim de preservar as características físico-química dos medicamentos (evitar falhas na cadeia do frio, por exemplo).
  • Controle de estoque: registro de entrada, saída e estocagem de medicamentos.
  • Entrega: medicamentos devem chegar ao paciente com a garantia de condições adequadas de acordo com a necessidade de cada item armazenado.

A estabilidade dos medicamentos

É sabido que, infelizmente, todo medicamento sofre alterações. Também sabemos que essas alterações podem levar a perda total ou parcial das propriedades medicamentosas, podendo chegar até ao estágio de toxicidade maior que a do produto original. Portanto, entende-se que estabilidade é o período no qual o medicamento mantém suas características físicas, químicas e farmacológicas. Esse período de “vida útil” inicia-se na fabricação do mesmo e deve vir detalhado na embalagem. A estabilidade dos medicamentos pode ser classificada em:

  • Química: substância(s) ativa(s) do medicamento, importante manter a integridade e intensidade original, conforme declaração no rótulo.
  • Física: entende-se por propriedade física a aparência, cor, sabor, odor, pH, viscosidade, dureza, uniformidade, etc. e essas deverão permanecer inalteradas.
  • Microbiológica: medicamentos deverão continuar com a sua eficácia original, tornando-os estéreis ou resistentes ao crescimento de microrganismos sem afetar sua função.
  • Terapêutica: deve-se manter a atividade terapêutica do medicamento inalterada.
  • Toxicológica: a toxicidade dos medicamentos deverá se manter extremamente baixa ou inalterada.

Fatores intrínsecos e extrínsecos que afetam os medicamentos

Os principais fatores que afetam a estabilidade dos medicamentos podem ser divididos em duas grandes áreas. São fatores intrínsecos e extrínsecos.

Os fatores intrínsecos estão relacionados ao processo de fabricação do medicamento, são procedimentos, métodos, técnicas, equipamentos, envase, embalagens, princípios ativos, princípios inativos (conservantes, corantes, aromatizantes), interações entre fármacos e solventes, pH do meio, tamanho das partículas, alteração nos aspectos físicos e incompatibilidades.

Mas esses fatores cabem à Indústria Farmacêutica geri-los, por isso a ANVISA constantemente analisa, avalia e estuda as Boas Práticas (BPx) das mais diversas situações, como por exemplo a BPL, ou melhor, as boas práticas de laboratório. A perda dessa BPL pode causar diversos danos à indústria, inclusive o seu fechamento quando não atendidas as considerações.

Já os fatores extrínsecos estão todos relacionados às condições ambientais e que dentro de um armazém podem ser controlados e principalmente, monitorados. Abaixo há uma descrição completa sobre cada um deles, que são:

  • Temperatura: é a responsável direta pelo maior número de alterações e/ou deteriorações nos medicamentos. Temperaturas fora do padrão pré-estabelecido NÃO são indicadas, porque aceleram a indução de reações químicas e a decomposição dos medicamentos, alterando sua eficácia.
    IMPORTANTE: para o controle de temperatura é necessário a utilização de termômetros nas áreas de estocagem, com registros diários em mapas de controle, registro mensal consolidado, elaboração de relatórios, com gráficos demonstrativos, para correção de eventuais anormalidades (ou obter tudo isso dentro de uma única plataforma de serviço, Sensorweb ;).
  • Umidade: o alto índice de umidade no ambiente pode afetar a estabilidade dos medicamentos (dependendo da sua forma), favorecendo também o crescimento de fungos e bactérias no produto, causando possíveis reações químicas.
  • Luminosidade: o ambiente onde serão armazenados os medicamentos deverá, de preferência, ter uma iluminação natural adequada ou iluminação artificial com lâmpadas florescentes. Se por acaso, os raios solares estiverem diretamente sobre os medicamentos, haverá a aceleração de reações químicas, adulterando a estabilidade dos mesmos.
  • Manuseio: fator crítico dos medicamentos, pois uma vez que seu manuseio seja inadequado. Aqui incluí-se também o transporte dos mesmos (Nós já levantamos dicas sobre o transporte de vacinas). Toda a equipe, incluindo os motoristas, deve ser consciente dos itens que transportam, devem ter treinamento adequado quanto ao manuseio e transporte adequado dos medicamentos.
  • Ventilação: a circulação do ar no ambiente de armazenagem deve ser mantida para conservar bem os produtos. Em caso de temperaturas naturais, a estocagem deve ter espaçamento adequado entre os produtos e o local deve ter janelas ou elementos vazados que facilitem a ventilação natural. Já os ambientes com temperaturas abaixo ou acima da ambiente (câmaras e estufas) faz-se necessário uma boa distribuição dos medicamentos nesses espaços para que ocorra a circulação correta do ar (quente ou frio).

Pensando nesses fatores extrínsecos e nas consequências (em caso de um armazenamento não qualificado) que eles podem ocasionar aos medicamentos é que pesquisamos algumas formas ou métodos simples para se levar em conta na hora de armazenar os medicamentos.

Onde estocar os medicamentos?

A estocagem dos medicamentos é totalmente dependente da dimensão, do volume de produtos existentes para serem estocados, do espaço disponível e das condições de conservação que são exigidas de cada item. Os principais equipamentos que podem ser utilizados para armazenar medicamentos são:

Estrados/Pallets

São plataformas horizontais de tamanhos variados e de fácil manuseio, são ideias para movimentação de grandes volumes. Podem ser de inúmeros tipos de materiais, tais como madeira, plástico, borracha e alumínio. Os de madeira são os mais utilizados, porém estes absorvem bastante umidade e poeira (itens prejudiciais, como já falamos acima), por isso, algumas empresas tem trocado pelos estrados de borracha. Além disso os de borracha são mais fáceis de limpar e podem possuir uma diversidade de cores criando “setores mais fáceis” de serem identificados.

Prateleiras

É meio de armazenamento mais econômico e simples também. Sua utilização é direcionada para produtos leves e estoques reduzidos. As prateleiras devem manter determinada distância das paredes e do teto, a fim de evitar zonas de calor e facilitar a circulação interna do ar. Outro detalhe importante é sobre o empilhamento dos medicamentos, deve-se obedecer as recomendações dos fabricantes quanto ao limite de peso e quantidade de volumes a serem empilhados (normalmente essa informação consta na caixa). Os produtos empilhados devem ser amarrados conforme orientação da empresa e também devem ter uma distância entre eles, as paredes e o teto. Tudo para manter a estabilidade do medicamento.

Armários

Em geral os armários são recomendados para o armazenamento de medicamentos de controle especial, conforme a Portaria, 344/98.

Como armazená-los?

Para que o armazenamento seja eficiente, os medicamentos devem ser distribuídos de maneira facilitadora a seu acesso, identificação, manuseio e controle. Além disso tudo, a distribuição deles deverá ser clara para que operações como inventário e balanços possam ocorrem com maior facilidades. As possíveis formas de armazenamento são:

Ordem alfabética

Baseia-se no nome genérico do produto, é muito útil, pois permite ao operador estabelecer uma sequência na tomada de pedidos e também no trabalho de contagem.

Forma farmacêutica

Baseia-se na organização conforme a forma farmacológica do produto. Além de contribuir com a racionalização do espaço, evita erros na contabilização e no despacho do produto.

Grupo terapêutico

Esse modelo organiza os medicamentos por seus grupos terapêuticos. É muito utilizada e auxilia no controle de inventários, pois cobre um amplo número de produtos de uma mesma classe.

Alfanumérico

Utiliza um sistema de sinalizações nas áreas, prateleiras e estrados. É indicado para grandes quantidades, galpões por exemplo. Usar esse modelo de armazenamento exige muita atenção nos registros para que cada item seja colocado no seu devido local.

Conclusão

O armazenamento é uma parte do ciclo da cadeia farmacêutica, onde a finalidade é garantir a qualidade dos medicamentos por meio de uma estocagem adequada. A boa conservação dos medicamentos gera credibilidade das indústrias farmacêuticas com seu consumidor final, o paciente. Um erro de armazenamento pode causar danos sérios à indústria, distribuidora ou até ao hospital (em sua farmácia central).

Os medicamentos quando vão para os galpões, podem ficar por tempo indeterminado ali e para que os mesmos fiquem estáveis, faz-se necessário analisar todo o ambiente a qual ele ficará. Se todo o processo de produção e transporte ocorrerem de maneira eficiente, caberá então ao armazenamento manter todo o controle de qualidade para que pacientes recebam os medicamentos dentro de sua estabilidade e funcionalidade ideais.


OUTRAS INFORMAÇÕES:

Paper: O Monitoramento de Temperaturas
em Hospitais no Brasil

>> 9 dicas para escolher um bom Sistema de Monitoramento Contínuo
>> 3 dicas para melhorar seu controle de temperaturas
>> O termômetro de máxima e mínima: porque só ele não é o suficiente?
>> Por um armazenamento de medicamentos com mais qualidade, tecnologia e automatização
>> Como dashboards auxiliam a gestão da cadeia do frio
>> Monitoramento de temperatura: Online vs Local

Comentários

Deixe o seu comentário!